segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Coisas que irritam: atendimento virtual

Eu não sou uma pessoa naturalmente bem humorada, nem tenho a pretensão de ser, mas existem algumas coisas que realmente me irritam. Uma delas é o atendimento virtual por telefone.

Na ligação você é saudado uma gravação bem humorada do tipo: “Bom dia. Sou a atendente virtual, fale o seu número de telefone, incluindo o ddd, dígito por dígito.” A partir deste ponto eu começo a me considerar um idiota, tendo que falar com uma maquina que não consegue entender o que você fala quando está gripado ou roco, e as vezes não entende nem palavras simples, como “não”. O interessante é que deram ao equipamento a premissa de que, se ele não te entende, o problema é com você e não como software, então a máquina pode se despedir e encerrar a ligação.

Ontem, por exemplo, liguei para Oi para resolver um problema do Oi pago da empresa. Foram exatas 9 ligação até que eu desistisse. Em todas as ligações, após a propaganda, eu passava por um labirinto de opções e interpretações erradas da maquina até que ela decidisse que eu deveria ser transferido para um atendente, e aí acontecia o mais legal: a ligação caía.

Outra coisa que percebi é que nunca, jamais, nunca mesmo devemos usar a palavra “cancelar”. Esta palavra vai te fazer esperar bastante tempo na linha, isso quando a ligação não caí misteriosamente. Descobri isso quando tentei cancelar um serviço de bloqueio para ligações para celular da meu telefone fixo. Tentei usar a frase: “cancelar bloqueio de ligações para celular” 3 vezes que liguei para a Telemar e nas 3 não consegui ser atendido. Só fui atendido, na quarta ligação, quando usei o termo “contratar serviço de bloqueio”. Milagrosamente fui prontamente atendido por uma pessoa.

Devido a minha desilusão com este tipo de serviço fica minha proposta: Voltem com os atendentes humanos. Eles podem ser chatos e usar o gerúndio sem necessidade, mas são gente.

Nenhum comentário: