sexta-feira, 1 de maio de 2009

Willian defende Cristian e Kléber

Zagueiro acredita que é dificil se conter ao marcar um gol e que as regras não são bem feitas.

Comemoração virou um assunto polemico no último mês. O volante corintiano Cristian, que será julgado, e o atacante cruzeirense Kleber, que corre perigo de ser denunciado, provocaram as torcidas adversárias e poderão ser punidos. O zagueiro Willian, do Corinthians, saiu em defesa de seus companheiros de profissão e ainda acredita que as regras são formuladas por pessoas que nunca tiveram a emoção e a vivência de um jogador de futebol, e assim não compreendem certas atitudes, como as comemorações.

Na primeira partida da semifinal do Campeonato Paulista, nos acréscimos da partida, Cristian marcou o gol da virada corintiana e deu a vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo, no Pacaembu. Na comemoração, o volante saiu em direção à torcida adversária e fez gestos obscenos, cruzando os punhos e levantando os dedos médios. O ato pode lhe render 10 jogos de suspensão no próximo Estadual, caso pegue a pena máxima no julgamento que acontecerá na próxima terça-feira, dia 5 de maio, a partir das 18h, no Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD/SP).

Outro fato que causou polêmica envolveu o atacante Kleber, jogador do Cruzeiro. Ao fazer o gol que abriu o placar contra o Atlético/MG, em jogo válido pela final do Campeonato Mineiro, o atacante saiu imitando um galo, símbolo do adversário, para a torcida alvinegra, em seguida fez o ‘chororô’. Em campo, não foi advertido, porém, segundo o Procurador Geral TJD de Minas Gerais, a fita foi pedida e o lance será revisto. Caso seja identificada uma infração no lance, Kleber será denunciado.

Para Willian, zagueiro do Corinthians, não existe uma fórmula para controlar a euforia do gol. Segundo o jogador, esse é um momento em que o jogador extravasa as emoções. Além disso, o defensor comentou, em entrevista exclusiva para o site Justicadesportiva.com.br, sobre a falta de preparo e percepção de quem dita às regras.

“É difícil 'pensar' quando se faz um gol, ainda mais um gol decisivo. Tem que buscar uma forma de não extravasar, mas é complicado, pois quem dita as normas dentro do futebol são pessoas que não vivenciaram o futebol dentro de campo. Só quem teve o prazer de já ter feito um gol sabe como é. Às vezes queremos tirar uma camisa, mas sem ofender ninguém ou desrespeitar patrocinador. Porém, cada vez mais o jogador é proibido de certas coisas. Chegará o dia em que não poderá comemorar de jeito nenhum. Ao meu ver, é preciso conversar mais com o atleta antes de determinar certas punições, obviamente sendo coerente em não ofender quem está assistindo o espetáculo. Mas também sem coibir o jogador de comemorar da forma que se sinta mais a vontade”, opinou o corintiano.

Fonte: Justicadesportiva.com.br.

Nenhum comentário: