domingo, 11 de julho de 2010

Suspeito de matar Eliza mantinha ligações com a polícia

O principal suspeito de assassinar e ocultar o corpo de Eliza Samudio, de 25 anos, desaparecida desde o início de junho, Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foi identificado no ano passado pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas como um homem "programado para matar" e cujos serviços costumavam ser requisitados por policiais. De acordo com o presidente da Comissão, deputado Durval Ângelo (PT), embora tenha sido excluído em maio de 1992, Bola se apresentava como policial civil e mantinha "muitos tentáculos" na corporação até ser preso na noite da última quinta-feira.

Esta semana, a Comissão cobrará formalmente agilidade da Corregedoria-Geral de Polícia Civil nas investigações que apuram a denúncia sobre a atuação de uma suposta organização de extermínio no Grupo de Respostas Especiais (GRE). O esquema foi levado pelo então inspetor do GRE, Júlio Monteiro, à Comissão, que o denunciou à Corregedoria em maio de 2009.

O sítio no bairro Coquerais, em Esmeraldas (MG), onde na semana passada foram feitas buscas pelo corpo da ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, era alugado por Bola e serviu de treinamento para a equipe de elite da Polícia Civil mineira. Criado em 2004, o GRE teve sua imagem manchada por denúncias de compra fraudulenta de veículos, extorsão e crimes de ameaça.

"Infelizmente o inquérito caminha a passos de tartaruga", observou Ângelo. "Parece estar se comprovando aquilo que nós dizíamos na época, que o Bola era um cara programado para matar, que ele terceirizava as mortes, inclusive prestando serviços para policiais. Ele tinha muitos tentáculos na polícia. "

Por causa das denúncias, Ângelo recebeu ameaças de morte e três pessoas precisaram ser incluídas no Serviço de Proteção a Testemunhas. Dois jovens e um motorista de táxi são apontados como vítimas do suposto grupo de extermínio. A denúncia diz que a organização utilizava um método de assassinato e ocultação de cadáver semelhante ao que foi descrito pelo adolescente J., de 17 anos, primo de Bruno, em relação a suposta morte de Eliza.

A Polícia Civil informa que a denúncia ainda está sendo investigada pela Corregedoria-Geral e o inquérito é acompanhado pelo Ministério Público. Até o momento, 45 pessoas já foram ouvidas, entre elas Bola.

O ex-policial cumpre prisão temporária na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, também na região metropolitana da capital mineira. Bola ainda não foi ouvido pelos delegados responsáveis pelo inquérito. A Polícia Civil mineira considera o seu depoimento como fundamental para a investigação.

Rodrigo Braga, advogado do ex-policial, diz que seu cliente nega qualquer envolvimento com o desaparecimento de Eliza ou com o suposto grupo de extermínio do GRE.



Entenda o caso


Eliza Samudio desapareceu no dia 4 de junho. O último contato conhecido dela foi com a advogada Anne Faraco, que acompanhava o reconhecimento da paternidade do filho de quatro meses que dizia ser de Bruno Fernandes, à época goleiro e capitão do Flamengo. Eliza avisou no telefonema que iria a Minas Gerais encontrar o jogador, pois ele havia concordado em fazer um exame de DNA.

Nos meses anteriores, a modelo tinha levado à imprensa do Rio de Janeiro a notícia de que estava grávida de Bruno. A criança teria sido concebida no primeiro encontro dos dois em um churrasco em maio de 2009, quando o atleta já era casado com Dayanne Souza.

Em outubro, Eliza denunciou ter recebido ameaças de Bruno, que pressionava para que abortasse a criança. A Justiça determinou que o atleta mantivesse, pelo menos, 300 metros de distância dela.

Quando o bebê nasceu, em fevereiro deste ano, a ex-amante passou a negociar as condições para que Bruno assumisse a paternidade. Ela batizou a criança com o mesmo nome do jogador. Um mês depois, ela foi ao Rio e enviou uma mensagem para sua advogada: "Estou no mesmo hotel que fiquei aquela vez, se acontecer algo, já sabe quem foi". O advogado do jogador rejeitou o acordo proposto por ela na ocasião.

Em 24 de junho, a Delegacia de Homicídios de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, onde ficava o sítio de Bruno, recebeu uma denúncia de que Eliza havia sido levada para o local, onde teria sido assassinada. Foi quando as polícias fluminense e mineira começaram as buscas por Eliza.

Dois dias depois, a mulher do jogador, Dayanne, foi autuada “por subtração de incapaz” por ter entregado filho de Eliza a uma amiga.

Na segunda-feira (28 de junho), a Polícia de Minas Gerais fez as primeiras buscas no sítio do atleta. No dia seguinte, a perícia encontrou vestígios de sangue no carro de Bruno, retido por falta de licenciamento em uma blitz no dia 8 do mesmo mês. Mais tarde, um exame mostrou que se tratava do sangue de Eliza.

A testemunha-chave do caso, um adolescente de 17 anos, que é primo do goleiro, apareceu em 6 de julho e confirmou ter participado do seqüestro de Eliza, ao lado de Luiz Henrique Romão - mais conhecido como “Macarrão”, que era funcionário de Bruno.

O menor de idade disse que ambos levaram a mulher para o sítio do jogador e que, de lá, ela havia sido entregue ao traficante e ex-policial civil Marcos Aparecido do Santos, conhecido também como “Bola”, “Paulista” e “Neném”, na cidade de Vespasiano, na Grande Belo Horizonte. Ele seria o responsável pela morte de Eliza, por estrangulamento.

O adolescente disse ainda que o traficante desmembrou a mulher e deu as partes do corpo dela para que cachorros comessem. Segundo a Polícia de MG, Bruno teria acompanhado a entrega de sua ex-amante ao criminoso e presenciado o assassinato.

Bruno, sua esposa e Macarrão, além de mais cinco pessoas envolvidas no crime, tiveram sua prisão preventiva decretada após o encerramento do depoimento do adolescente, no dia 6 de julho.

O jogador e seu funcionário já foram indiciados pela Polícia do Rio pelo sequestro ocorrido em junho deste ano e, pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ), por sequestro, cárcere privado e lesão corporal, por conta do incidente de 2009, onde teriam tentado forçar Eliza a abortar a criança que ela carregava.

2 comentários:

jaque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jaque disse...

o Bruno foi muito cara de pau,safado e o pior de todos os homens , na hora de ficar no bem bom com a Elisa tava bom, mas na hora de assumir o filho o idiota cretino não quis nem sequer saber se o filho é dele.Melhor seria pagar a pensão do que tirar a vida de uma pessoa desse jeito tão macabro. Não sei, posso estar errada, mas seria otimo se no Brasil tivesse cadeira eletrica, para pessoas desse nível ser eletrecultada.No meu ponto de vista uma pessoa dessa mão merece voltar pra sociedade!!!!Apesar de acreditar que todo mundo merecce uma 2° chance menos ele.