quarta-feira, 16 de junho de 2010

Fã de meias são-paulinos, William Moraes quer ser 'curinga' no Timão

Meia revelado no Corinthians se espelha em Kaká e Raí e aceita jogar em mais de uma posição, desde que não seja a zaga: 'Aí deixa para o meu pai'.


William Moraes, meia do Corinthians (Foto: Julyana
Travaglia / Globoesporte.com)

A aparência lembra a do William mais conhecido e que ostenta a tarja de capitão do Corinthians. A altura (1,87m) também faz com que ele pareça um defensor. Mas William Moraes, de 19 anos, prefere atuar pelo meio-campo, onde seus ídolos fazem ou já fizeram história. Revelado pelas categorias de base do Corinthians, o atleta, recém-promovido ao time de Mano Menezes, não se espelha em jogadores badalados que já passaram pelo Parque São Jorge.

Apesar de se definir como um corintiano fanático, “daqueles que chorava nas derrotas”, William Moraes – sobrenome escolhido por Mano para diferenciá-lo do William capitão na hora de chamar – tem como exemplos jogadores que fizeram história com a camisa do São Paulo. Raí, ídolo tricolor dos anos 90, e Kaká, badalado atleta da seleção brasileira que surgiu no Morumbi no fim da década passada, são suas inspirações.

- Gostava do futebol do Raí, que era muito técnico e se movimentava bem. E gosto do Kaká, apesar de ter ficado um pouco apagado no jogo (Brasil 2 a 1 Coreia do Norte). Mas são jogadores que gosto porque jogam bonito - comentou William Moraes, logo após o treino físico em Águas de Lindoa.

Novato no Corinthians, o meia experimente pela primeira vez a sensação de estar entre as estrelas do time principal. O quarto em Águas de Lindoia, onde o time realiza a intertemporada, é dividido com André Vinícius, zagueiro também oriundo das categorias de base. Mas William Moraes já se sente à vontade. E a rápida adaptação é compreensível.

Além de ter uma oportunidade no time para o qual torce, o meia se apega ao passado para aproveitar a chance que está tendo com Mano Menezes. Quando tinha 14 anos, William Moraes participou dos times inferiores do Grêmio. A investida no sul durou apenas oito meses. Longe da família, que vive em Osasco, o menino sentia saudades da família e acabou sendo aconselhado a voltar para São Paulo.

- Fiquei oito meses no Grêmio, até chegar ao Corinthians, em 2006. Não queria ficar lá. Ia para os treinos chorando porque queria ir para casa da minha mãe. Aí o técnico falou que eu deveria voltar para casa - relembrou.
Com o Corinthians, porém, William Moraes não pensa em desistir. Meia de origem, ele não descarta atuar como volante ou até mesmo centroavante, se necessário.

- Quero ser um curinga! - disse.

Mas não pensem que por causa da estatura ele aceitaria jogar como zagueiro.

- Na zaga não dá para driblar e pedalar. Aí deixa com o meu "pai" – disse, aos risos, referindo-se ao William zagueiro, capitão corintiano.

Nenhum comentário: