quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Bancos dos EUA têm primeiro prejuízo trimestral desde 1990

Setor registrou prejuízo de US$ 26,2 bilhões no 4º trimestre de 2008. Número de falências quase cortou pela metade seguros de depósitos.

O setor bancário dos Estados Unidos registrou prejuízo de US$ 26,2 bilhões no quarto trimestre de 2008, marcando a primeira vez que o setor fracassou em obter lucro desde os três últimos meses de 1990.

Os bancos e instituições de poupança dos EUA viveram no período seu pior trimestre desde meados da crise de crédito e poupança, conforme o crescente número de falências de bancos quase cortou pela metade a rede federal de seguros de depósitos.

Os danos se espalharam por todo o setor: as perdas dos quatro maiores bancos representaram metade do total, mas quase um terço da indústria teve prejuízo.

"Altos gastos com provisões contra perdas com empréstimos, prejuízos consideráveis em contas comerciais e grandes baixas contábeis em ativos intangíveis e outros contribuíram para o prejuízo líquido do setor", afirmou a Corporação Federal de Seguro de Depósito (FDIC) em seu relatório trimestral sobre a saúde do setor financeiro dos EUA.

As surpreendentes perdas foram acompanhadas por um forte aumento no número de bancos considerados de alto risco, ou instituições "problemáticas".

A FDIC afirmou que havia 252 bancos ou instituições de poupança com ativos de US$ 159 bilhões em sua "lista de problemas" no fim de 2008, um aumento de 47% em comparação com o fim do terceiro trimestre do ano passado e mais do que o triplo em relação ao fim de 2007.

Outra preocupação é a forte queda registrada no fundo de seguro de depósitos usado pela FDIC para ajudar os correntistas e poupadores no caso de uma falência de banco.

A FDIC informou que o fundo perdeu US$ 15,7 bilhões em relação ao fim de setembro, ficando com US$ 18,9 bilhões no fim do quarto trimestre.

A agência afirmou também que separou US$ 17,6 bilhões durante o trimestre para lidar com efetivas e esperadas falências de bancos.

Déficit no Orçamento

O orçamento que o presidente Barack Obama vai apresentar nesta quinta-feira prevê um déficit em 2009 de US$ 1,75 trilhão, segundo o Wall Street Journal. O déficit previsto é o maior registrado pela economia americana desde a Segunda Guerra Mundial.

De acordo com o jornal, o orçamento inclui uma verba de US$ 250 bilhões adicionais para o setor bancário e financeiro, caso seja necessário. O primeiro orçamento do mandato de Obama delineia as prioridades em saúde, energia e âmbito fiscal, entre outros temas.


Cortes de emprego


Nesta quinta-feira, o banco JP Morgan Chase, o segundo maior dos Estados Unidos, anunciou que prevê eliminar 12 mil empregos em consequência da integração do Washington Mutual (WaMu), entidade que adquiriu em setembro do ano passado.

As medidas incluêm a economia de US$ 1,35 bilhão com os cortes em empregos. Em dezembro, o banco havia anunciado um corte total de 9,2 mil empregos devido à aquisição do WaMu. Os 12 mil cortes incluem outros 2,8 mil até o final da negociação. No final de 2008, o banco tinha um total de 224 mil empregados.

Fontes: Agência Estado, EFE e da AP.

Nenhum comentário: