Pular para o conteúdo principal

Poemas de Castro Alves

As Duas Ilhas

Sobre uma página de poesia de V. Hugo com o mesmo título



Quando à noite -- às horas mortas --

O silêncio e a solidão

-- Sob o dossel do infinito --

Dormem do mar n'amplidão,

Vê-se, por cima dos mares,

Rasgando o teto dos ares

Dois gigantescos perfis...

Olhando por sobre as vagas,

Atentos, longínquas plagas

Ao clarear dos fuzis.



Quem os vê, olha espantado

E a sós murmura: "O que é?

Ai! que atalaias gigantes,

São essas além de pé?!. . ."

Adamastor de granito

Co'a testa roça o infinito

E a barba molha no mar;

E de pedra a cabeleira

Sacudind'a onda ligeira

Faz de medo recuar...



São -- dons marcos miliários,

Que Deus nas ondas plantou.

Dons rochedos, onde o mundo

Dous Prometeus amarrou!...

-- Acolá. . . (Não tenhas medo!. . . )

E Santa Helena -- o rochedo

Desse Titã, que foi rei! . . .

-- Ali. .. (Não feches os olhos!. . . )

Ali... aqueles abrolhos

São a ilha de Jersey!...



São eles -- os dous gigantes

No século de pigmeus.

São eles -- que a majestade

Arrancam da mão de Deus.

-- Este concentra na fronte

Mais astros -- que o horizonte,



Mais luz -- do que o sol lançou! . . .

-- Aquele -- na destra alçada

Traz segura sua espada

-- Cometa, que ao céu roubou!...



E olham os velhos rochedos

O Sena, que dorme além...

E a França, que entre a caligem

Dorme em sudário também...

E o mar pergunta espantado:

"Foi deveras desterrado

Buonaparte -- meu irmão?..."

Diz o céu astros chorando:

"E Hugo?. . . " E o mundo pasmando

Diz: "Hugo. . . Napoleão! . . . "



Como vasta reticência

Se estende o silêncio após...

Es muito pequena, ó França,

P'ra conter estes heróis...

Sim! que estes vultos augustos

Para o leito de Procustos

Muito grandes Deus traçou...

Basta os reis tremam de medo

Se a sombra de algum rochedo

Sobre eles se projetou!...



Dizem que, quando, alta noite,

Dorme a terra -- e vela Deus,

As duas ilhas conversam

Sem temor perante os céus.

-- Jersey curva sobre os mares

À Santa Helena os pensares

Segreda do velho Hugo...

-- E Santa Helena no entanto

No Salgueiro enxuga o pranto

E conta o que Ele falou...



E olhando o presente infame

Clamam: "Da turba vulgar

Nós -- infinitos de pedra --

Nós havemo-los vingar! .."

E do mar sobre as escumas,

E do céu por sobre as brumas,

Um ao outro dando a mão...

Encaram a imensidade

Bradando: "A Posteridade!..."

Deus ri-se e diz: "Inda não!..."





Ao Ator Joaquim Augusto



Um dia Pigmalião -- o estatuário

Da oficina no tosco santuário

Pôs-se a pedra a talhar...



Surgem contornos lânguidos, amenos...

E dos flocos de mármore outra Vênus

Surge dest'outro mar.



De orgulho o mestre ri... A estátua é bela!

Da Grécia as filhas por inveja dela

Vão nas grutas gemer...

Mas o artista soluça: "O Grande Jove!

"Ela é bela . . . bem sei -- mas não se move!

"E sombra -- e não mulher!"



Então do excelso Olimpo o deus-tonante

Manda que desça um raio fulgurante

À tenda do escultor.

Vive a estátua! Nos olhos -- treme o pejo,

Vive a estátua!.. . Na boca -- treme um beijo,

Nos seios -- treme amor.



O poeta é -- o moderno estatuário

Que na vigília cria solitário

Visões de seio nu!

O mármore da Grécia -- é o novo drama!

Mas o raio vital quem lá derrama?...

É Júpiter!... És tu!...



Como Gluck nas selvas aprendia

Ao som do violoncelo a melodia

Da santa inspiração,

Assim bebes atento a voz obscura

Do vento das paixões na selva escura

Chamada -- multidão.



Gargalhadas, suspiros, beijos, gritos,

Cantos de amor, blasfêmias de precitos

Choro ou reza infantil,

Tudo colhes... e voltas cotas mãos cheias,

-- O crânio largo a transbordar de idéias

E de criações mil.



Então começa a luta, a luta enorme,

Desta matéria tosca, áspera, informe,

Que na praça apanhou.

Teu gênio vai forjar novo tesouro...

O cobre escuro vai mudar-se em ouro,

Como Fausto o sonhou!



Glória ao Mestre! Passando por seus dedos

Dói mais a dor... os risos são mais ledos...

O amor é mais do céu...

Rebenta o ouro desta fronte acesa!

O artista corrigiu a natureza! O alquimista venceu!



Então surges, Ator! e do proscênio

Atiras as moedas do teu gênio

As pasmas multidões.

Pródigo enorme! a tua enorme esmola

Cunhada pela efígie tua rola

Nos nossos corações.



Por isso agora, no teu almo dia,

Vieram dando as mãos a Poesia

E o povo, bem o vês;

Como nos tempos dessa Roma antiga

Aos pós desse outro Augusto a plebe amiga

Atirava lauréis...



Augusto! E o nome teu não se desmente...

O diadema real na vasta frente

Cinges... eu bem o sei!

Mandas no povo deste novo Lácio...

E os poetas repetem como Horácio:

"Salve! Augusto! Rei!"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adivinhas

O que são adivinhas, advinhações, o que é o que é, folclore, humor, cultura popular
Adivinhas: humor e desafioO que sãoAs adivinhas, também conhecidadas como advinhações ou "o que é, o que é" são perguntas em formato de charadas desafiadoras que fazem as pessoas pensar e se divertir. São criadas pelas pessoas e fazem parte da cultura popular e do folclore brasileiro. São muito comuns entre as crianças, mas também fazem sucesso entre os adultos.Alguns exemplos de adivinhas:- O que é que é surdo e mudo, mas conta tudo?
Resposta: o livro- O que é o que é que sempre se quebra quando se fala?
Resposta: o segredo- Ele é magro pra chuchu, tem entes mas nunca come e mesmo sem ter dinheiro, dá comida a quem tem fome?
Resposta: o garfo

- O que é que passa a vida na janela e mesmo dentro de casa, está fora dela?
Resposta: o botão- O que é o que é feito para andar e não anda?
Resposta: a rua- O que é o que é que dá muitas voltas e não sai do lugar?
Resposta: o relógio- Qual é a piada do fotógr…

Frases de Amor e Frases Românticas

Frases de Amor e Frases Românticas, belas palavras de carinho, frases perfeitas para você se declarar ao seu amor. Agrade quem você ama com essas belas frases de amor, de amizade, de carinho…



“Ainda que nas noites frias e solitárias, sinto o vento me acariciar, mas ao mesmo tempo me lembro de você ao meu lado a me amar…”
Roberto Klaro



“Um dia ousei sonhar um amor, e nos seus braços senti paz, na imensidão do seu prazer me realizei, e então acordei desse sonho fora da lei!”
Adriana Mallet



“A velocidade do amor é proporcional às concentrações de respeito, humildade, alegria, amizade, sinceridade e compromisso presente na vida de cada um de nós, multiplicada por uma constante essencial em nossos corações: a capacidade de amar.”
Edilene Gadelha



“Ao tocar seu coração pude sentir algo diferente acontecer,forte como um vendaval e lindo como um amanhecer.”
Alan Capato



“Se tudo o que existe no mundo possuísse uma fonte de energia, com certeza a minha seria você.”
Willians Levi

“O verdadeiro amor não traz…

Cronologia (1960 – 2008)

---------------------------------------------------------------------

1960

---------------------------------------------------------------------







13.fev.1960 - A França explode sua primeira bomba atômica.

14.fev.1960 – Um grupo de sobralenses funda o Rotary Clube de Sobral. Sua primeira diretoria estava assim constituída – Presidente: José Silvestre Saboia de Albuquerque (Zeca); Vice-presidente: José Mendes Mont’Alverne (Dr. Zé Alverne); Secretário: Armando Homem de Siqueira; Tesoureiro: Raul Vieira Lima; Diretor de Protocolo: Antonio Albuquerque Lopes; Diretores sem pasta: Edmundo Monte Coelho e José Walmir Frota.

05.mar.1960 - Após dois anos servindo o Exército, Elvis Presley retorna à vida civil.

02.abr.1960 - Em acordo assinado com a França, a ilha de Madagascar torna-se um Estado independente dentro da comunidade francesa.

03.abr.1960 - Uma coligação entre radicais e conservadores ganha as eleições gerais no Chile.

04.abr.1960 - É realizada a entrega do Oscar nos EUA. Foram agraciados …