sábado, 20 de março de 2010

Palmeiras volta a decepcionar em casa, perde da Ponte e vê boa fase ruir

Desta vez a torcida fez sua parte e encheu o Palestra Itália. Mas o Palmeiras não correspondeu e frustrou a festa dos 17 mil fãs alviverdes com mais uma atuação pouco inspirada em casa. Neste sábado, o time do técnico Antônio Carlos foi derrotado pela Ponte Preta por 2 a 0 e interrompeu a arrancada depois de conquistar três vitórias consecutivas longe de seus domínios.

“Assim fica difícil. A gente pede para a torcida vir e nos ajudar. Eles fizeram isso, mas não adiantou nada”, lamentou o goleiro Marcos, único atleta exaltado pelos aficionados depois de defender um pênalti nos acréscimos.

O resultado impediu o Palmeiras de terminar a 15ª rodada do Campeonato Paulista colado no G-4. O clube vai dormir na oitava posição, com os mesmos 22 pontos, a quatro da zona de classificação para as semifinais.

Não só isso, como o Palmeiras perdeu a chance de recuperar o prestígio dentro de casa. Com a igualdade deste sábado, a equipe manteve a sequência irregular no Palestra Itália, com apenas 38% de aproveitamento dos pontos disputados no estádio.

A Ponte Preta, por sua vez, manteve vivo o sonho de se classificar para a próxima fase. O triunfo em São Paulo fez a equipe campineira chegar aos 24 pontos, na sétima colocação do Estadual.

“Resultado muito importante. Temos mais quatro jogos e vamos em busca da classificação. Temos que comemorar muito, pois esse resultado nos deixa na briga ainda”, celebrou o atacante Finazzi, autor do segundo gol da Ponte Preta.

O técnico Antônio Carlos havia cogitado a possibilidade de poupar alguns jogadores, mas acabou escalando o que tinha de melhor neste sábado. Havia a expectativa que Lincoln fosse mantido entre os titulares, mas o meia virou desfalque de última hora por ter sentido dores musculares antes do jogo.

Quando a partida começou, o Palmeiras esbarrou na boa marcação da Ponte Preta e teve problemas para avançar além do meio-campo. Tanto, que o primeiro chute alviverde saiu apenas aos 10min, com Diego Souza de fora da área. Mas logo em seguida o time da casa deu sinais que iria engrenar.

Com avanços pelas laterais, o Palmeiras criou boas oportunidades em jogadas aéreas. O problema é que a equipe não conseguiu superar o goleiro Eduardo Martini, em tarde inspirada. Melhor para a Ponte Preta, que segurou o resultado até o intervalo, mesmo com a pressão alviverde.

“Não podemos nos precipitar e cair nos mesmos erros que já tivemos em casa. Tem que ter paciência para conseguir o resultado no segundo tempo, senão vamos levar os contra-ataques”, opinou Marcos a caminho do vestiário. “Nosso esquema funcionou no primeiro tempo. Agora, precisamos de mais ação”, salientou o técnico rival Sérgio Guedes.

Na etapa final, o Palmeiras voltou a se lançar para o ataque. Contudo, também sofreu com os avanços do meio-campista Tinga, deslocado para avançar pelas costas de Armero. Mesmo com domínio da posse de bola, os anfitriões tiveram problemas para se aproximar da área rival.

Enquanto isso, a Ponte Preta fez o que havia prometido. Se arriscou apenas nos contra-ataques e nos lances de bola parada. A tática deu certo, e o time mostrou grande oportunismo no ataque para marcar aos 32min e aos 38min com Diego e Finazzi. Nos acréscimos, os visitantes ainda tiveram tempo de ampliar, mas Marcos defendeu pênalti do camisa 18.

As duas equipes retornam a campo já nesta quarta-feira para a disputa da 16ª rodada do Campeonato Paulista. O Palmeiras vai até Araraquara para enfrentar o Rio Branco, enquanto a Ponte Preta volta a atuar no Moisés Lucarelli diante do Rio Claro.

PALMEIRAS 0 X 2 PONTE PRETA


PALMEIRAS
Marcos; Márcio Araújo, Gualberto, Danilo e Pablo Armero; Pierre (Ivo), Edinho (Lenny), Cleiton Xavier e Diego Souza; Éwerthon e Robert
Técnico: Antônio Carlos Zago

PONTE PRETA
Eduardo Martini; Marcos Rocha, Diego, Léo Oliveira e Vicente; Deda, Danilo Portugal (Galiardo), Tinga (Manteiga) e Fabiano Gadelha (Finazzi); Otacílio Neto e Pirão
Técnico: Sérgio Guedes

Data: 20/03/2010 (sábado)
Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima
Auxiliares: Reinaldo Rodrigues dos Santos e Fabio Aparecido Gomes Ribeiro
Público: 17.255 torcedores
Renda: R$ 480.060,00
Cartões amarelos: Diego Souza, Pierre, Márcio Araújo (PAL); Danilo Portugal, Otacílio Neto, Marcos Rocha (PON)
Gol: Diego, aos 32min, Finazzi, aos 38min do segundo tempo

Nenhum comentário: