quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Últimas tropas de combate dos EUA deixam o Iraque, dizem TVs

As últimas tropas de combate norte-americanas estão deixando o Iraque em direção ao Kuwait na noite desta quarta-feira (18), mais de sete anos após a invasão liderada pelos Estados Unidos que derrubou o ditador Saddam Hussein, informam as redes de televisão NBC, CNN e Fox.

A retirada das tropas de combate americanas do país havia sido anunciada pelo presidente dos EUA, Barack Obama, para o final do mês.


Um comboio da Brigada Stryker, do Exército americano, cruza a fronteira do Iraque com o Kuwait, nesta quarta-feira (18) (Foto: Maya Alleruzzo / AP)

Imagens de TV mostraram um jornalista da rede MSNBC que viajava com a 4ª Brigada Stryker, da 2ª Divisão de Infantaria, cruzando a fronteira entre Iraque e Kuwait, como parte do movimento de tropas que será concluído nas próximas horas.

A CNN informou que 56 mil soldados americanos permanecerão no Iraque após a saída da brigada.

Este número deve cair para 50 mil no dia 31 de agosto, quando os Estados Unidos declararem o fim de suas operações de combate no país, limitando a presença de seus militares a missões de treinamento e assessoramento.

Segundo a CNN, um oficial de Fort Lewis, Washington, disse que deve levar "algumas semanas" para que todos os membros das tropas que deixaram o país retornem aos Estados Unidos. "Muitos deles só devem chegar em casa na metade de setembro", disse.

Promessa

"Estamos mantendo a promessa que fizemos", reafirmou o presidente Barack Obama nesta quarta-feira em Columbus, Ohio. "Nossa missão de combate no Iraque vai acabar."

Obama defendeu durante sua campanha o fim da guerra de forma responsável, e como presidente tem deixado explícito em suas garantias aos norte-americanos que nenhum único membro do serviço dos Estados Unidos permanecerá no Iraque até 1º de janeiro de 2012.

Washington liderou a invasão do Iraque em março de 2003, quando derrubou o presidente Saddam Hussein sob o pretexto de neutralizar seu programa de armas de destruição em massa, mas tal armamento jamais foi encontrado.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário: